<BODY> philipinas

quinta-feira, fevereiro 16


OPRAH ME FAZ FICAR EM FORMA

Já se foi o tempo que eu conseguia correr durante uma hora na esteira. Mas a coisa vem mudando de umas semanas para cá. E a culpa é da Oprah Winfrey, que está sempre na televisão da academia.

O programa dela existe há mais de duas décadas e o poder da apresentadora, uma espécie de Hebe inteligente (e muito, mas muito mais rica) é fácil de entender. Não. Aliás, não é fácil. Como um programa recheado de pautas imbecis e comentários óbvios pode ganhar tanta audiência? Já pensei em pacto com o demônio, mas essa alternativa saiu de moda na época da Xuxa.

Na minha última corrida de esteira, Oprah, uma negra que como a Janet Jackson sempre sofreu com o vai e vem do peso, falava sobre emagrecimento. Durante uma hora, a apresentadora vendeu para a platéia o livro que traz o seu programa alimentar e recebeu convidados que perderam não sei quantos mil quilos fazendo a sua dieta. Na melhor parte do programa, Oprah olhava fixamente para a câmera e dizia: We, americans, are not going to spend another summer fat!

A platéia ia ao delírio, gritava, ria. Eu, na esteira, tentava não fazer o mesmo. Estava constrangido. Queria deixar claro, pelo menos para mim e para o senhor que também corria ao meu lado, que eu não fazia parte daquele circo do entretenimento, daquele frenesi de mulheres enlouquecidas na luta contra a balança.

No dia seguinte, a televisão exibia um filme dublado na TNT. Preciso dizer que só fiquei meia-hora na esteira?

Agora é fácil explicar o segredo do sucesso de Oprah. Lavagem cerebral? Hipnose? Isso. E mais um pouco: papo-furado, conversa fiada, muita palhaçada e a impossível tarefa de me deixar grudado por um bom tempo em cima da esteira.

Acho que me apaixonei.