<BODY> philipinas

domingo, fevereiro 19


COMO EU SOBREVIVI AO SHOW DOS ROLLING STONES

O show que vocês viram pela televisão, no conforto de suas casas, eu não vou ter o trabalho de comentar. Prefiro falar sobre o desespero de milhares de pessoas que, assim como eu, tentaram voltar para casa depois do show.

No começo, era tudo festa. Na ida para a praia, o clima era mesmo de réveillon em Copacabana. Não havia brigas e muito menos confusão. É claro que tinham algumas pessoas que queriam comer na porrada aqueles que passavam de camisetas VIPs pela gente, mas isso não conta. Algumas celebridades, como a atriz Suzana Vieira, se protegiam com mais de cinco seguranças.


Rolling Stones tocam "Sympathy for the devil"


E lá estávamos nós, vendo Mick Jagger pular, cantar e se encantar com a platéia, que esteve nas mãos dos Stones durante todo o show (aliás, por que deixaram o Keith Richards cantar?).


Este tio vendia drinks

Ao final de "Satisfaction", todos resolveram ir embora. Os Stones, claro, só precisavam atravessar a passarela para chegar nas suítes luxuosas do Copa. Mas nós, coitados, como sofremos. O tumulto para sair foi grande.

O "mais de um milhão de pessoas" noticiado pelos jornais tiveram que se espremer para sair somente por duas ruas. Uma delas, logo no final do show, foi interditada pela polícia, que soltava bombas de efeito moral para conter o tumulto. A confusão estava estabelecida.

Vi mulheres gritando, pessoas desmaiando e muita gente chorando. No meio do empurra-empurra, acabei me perdendo dos amigos e tive que voltar para a areia sozinho. Sim, para a areia. Este era o único jeito de escapar do sufoco, não ser espremido, pisoteado e voltar a respirar.


Público não tinha como sair do lugar

O oxigênio algumas vezes ia embora e as pessoas não paravam de empurrar. Alguns policiais militares apitavam e, com gestos, tentavam convencer aqueles que deixavam a areia para ficarem no mesmo lugar. Em vão.

Na minha luta para chegar até o mar, tive que nadar contra a corrente de gente que vinha contra mim. Ao conseguir chegar na orla, a paisagem era de filme-catástrofe de Hollywood. Milhares de pessoas também tiveram a mesma idéia e o êxodo pela água era grande.


Na praia, muitos aproveitaram para nadar, outros para surfar, uns para mijar e muitos outros para trepar. Os helicópteros que sobrevoavam o local eram recebidos com gritos pelo povo. Com a água até o joelho, conseguimos passar do palco e chegar até em casa. O clima voltava a ser de festa.


Agora, em casa, depois de ter tirado areia de todos os buracos, eu me pergunto: será que Suzana Vieira chegou viva?

BÔNUS:

Que tal vídeo tosco (feito por mim) do povão cantando? Bem melhor que a área vip comportadinha, nénão?

Trecho de "Satisfaction" - download aqui.
Trecho de "Start me up" - download aqui.