<BODY> philipinas

terça-feira, setembro 30


Era uma vez Isabela. Novela, chocolate e siririca. Era muito gorda. E triste. Ninguém comia. Só ela. E muito. Toneladas de pizza. Queria ser desejada, amada, compreendida. Escrevia cartas de amor. Motivo de piadas.

Namorou um garoto da faculdade que a quis. Arranjou alguns motivos para querê-lo também e assim ficaram juntos. Descobriu que durante estes anos, o namorado não só a quis, mas também quis sua mãe, sua irmã e sua prima. Comeu mais um pouco.

No ano seguinte, tudo ia ser diferente. Ela iria aprender a ser gente. E que o orgulho poderia valer alguma coisa. Jogou fora os discos do Roberto Carlos e comprou o CD dos Los Hermanos. Emagreceu 30 quilos. Boate, praia e sexo. Estava bonita. E feliz. Todo mundo queria comer. Menos ela. Só pensava em seu corpo e em como poderia melhorá-lo ainda mais. Era amada, desejada e admirada. O celular não parava de tocar. Motivo de orgulho.

O senso de humor adquirido durante todos os anos de obesidade fazia com que Isabela olhasse, hoje, a atenção exagerada que recebia, com certa graça e desconfiança. Não acreditava que alguns quilos perdidos podiam armar todo aquele circo. Até ficou com os garotos mais bonitos do bairro e da faculdade. Mas não quis namorar nenhum deles. Ninguém entendia o porquê. Namorou o vizinho. Alberto a conhecia desde pequena. Não era nenhum Brad Pitt, mas ria de suas piadas.