<BODY> philipinas

sexta-feira, abril 4


Sabe o que eu adoro?

A Pryska tá sempre por láAndar em frente a Help de madrugada. Não tem coisa mais legal que aquele trecho da Av. Atlântica. O encontro, a festa de niggas e bitches é fantástica. O clima podre e a agitação carregam minhas energias. Fico por ali e acabo no Bob´s pra tomar milk-shake. E enquanto espanto os pombos (também conhecidos como vagabundos de rua), fico olhando a pegação. Não falo isso como um esnobe que adora as mazelas da sociedade e debruça em cima do fato para analisar. Não. Nem sou um Fausto Fawcett fascinado por Katias Flávias (às vezes, ele está por ali também). Não saberia explicar, mas naquele pedaço não tem hipocrisia. Ninguém ali quer ser outra pessoa, nem esconde o que quer. Todo mundo tem um objetivo. Seja se drogar, trepar ou se divertir. Fiquei sabendo que a nova onda da galera que ficou carente das noites alternativas da Bunker (que está pra fechar) é entrar na Help. Quem já foi na boate, admite: é staile, cheia de gringos, putas de paetê, pilastras gigantes de espelho, muito espaço e muito mau gosto. Um prato cheio pra Copacabana, o purgatório da beleza e do caos. Leve sua família.