<BODY> philipinas: Agosto 2002

quinta-feira, agosto 29


Depois de muitas reuniões, noites mal dormidas, pautas, plantas, storyboards, água sanitária, pizza, omo dupla ação e muita discussão, colocamos no ar, o interurbanos.

O que você quer de aniversário, Michael?

"A beautiful pink balloon full of candy and children..."

quarta-feira, agosto 28


terça-feira, agosto 27


Lá no Radix:

* Ficou pronta uma categoria bem legal sobre a nova música pop que tá rolando no Brasil. Dentro da categoria também tem zines e programas de rádio. Acho que a maioria dos cantores, bandas e dj´s que andam movimentando a cena musical, estão lá. Pega esse atalho aqui. Ah, já viram o site do DJ Marky? www.djmarky.com Sinistro!
* Eu ando enchendo o saco de um monte de gente, lá no Habbo Hotel. Só fui conhecer esse chat agora e adorei a idéia.
* Meu Deus, tatuagem secreta...onde eu tava quando escrevi isso??

segunda-feira, agosto 26


Posso confessar coisas íntimas? Eu faria isso normalmente, mas agora vocês estão aqui do lado espiando...mas mesmo assim eu preciso contar:
- Quando eu cago, tenho mania de olhar o tamanho da merda. Quanto maior, mais orgulho eu sinto
- Quando pego o elevador sozinho, tiro meleca e faço bolinhas
- Na época de colégio, tinha mania de imaginar como eram as bucetas das madres por debaixo daqueles panos
- Quanto mais velho eu fico, mais medo eu tenho. Não tinha que ser o contrário?
- Redenção de cu é rola
- Tenho uma tatuagem secreta
- Agora todos enfiem o dedo no cu e cheirem
- Viu? Somos todos iguais!

sexta-feira, agosto 23


*VMB: A maior premiação da Música Brasileira (música? onde? eu só vi Fernanda Lima)
Chata a festa. Lulu-Santos-Neo-Caetano sempre fazendo apresentações de resgate musical com uma roupagem atual. Fica tudo bem chato e difícil de engolir. Fernanda Lima como apresentadora é uma tristeza. Ao invés de ser bonita, resolveu ser engraçada (a gente sabe que beleza e humor não andam juntos). Mas peraí, estamos falando de humor e não daquelas piadas (acho que era o Paulo Francis que dizia que humor paulista era uma antítese). Com piadas daquelas, ninguém fica engraçado mesmo. Festa estranha, com gente esquisita, eu não tô legal. Mas você reclama que eu sempre reclamo. O que valeu a pena? Ouvir e ver a Fernanda Takai, do Pato Fu. E os segundos que apresentaram os videoclipes de rap. Nesta categoria, estão os melhores clipes. As melhores músicas. Pelo menos, os menos chatos. Nega Gizza é tão legal quanto o irmão MV Bill. Mas o chatim do Xis acabou ganhando. Eu tô ficando velho.

* Dêem uma olhada no post engraçadíssimo da gonzo girl, o "uma boa e uma má notícia", sobre o porquê do falecimento (ou não) do tal pub de Copacabana.

* Aquela lá em cima é a Eve. Seria ela a prima americana de Nega Gizza? Não sei, mas ela faz um hip hop muito bom. Um som duka (dukas? sanduíche? ãhn?).

quinta-feira, agosto 22


Sal é do mal!

Já reparou que quando você quer vomitar, todo mundo diz que se preparar um copo com água quente e sal é tiro e queda? E pior que é verdade. Minha irmã já experimentou. Colocou muita água no copo, levou no microondas, deu uma esquentadinha, duas pitadinhas de sal e bebeu. Acabou vomitando até pelo nariz. Sal agita, é do mal. Diferente do açúcar. Quando você está nervoso, ou desmaiou, vem uma tia e fala: dá uma água com açúcar pra ele acalmar. Sabe aquela menina sem graça, sem sal? Tá vendo? Ela precisa daquela pitada do diabo, do sal, pra ficar mais atraente, mais salgada. Um menina doce normalmente é aquela boa pra casar. Sal e açúcar são opostos? Como água e fogo? O açúcar é do bem e o sal é do mal?

* Depois deste post, se você não quiser mais voltar aqui, tudo bem. Eu entendo.

quarta-feira, agosto 21


* Já ouviram a versão bossa-nova do Jesus me chicoteia para a música "baba baby" da Kelly Key? hehehe aqui!

* Oi Leonardo, oi Priscila! Quanto tempo..., por onde vocês andam? :)

* Tô preocupado com o meu povo.

* A Grobo tá com o Brogger!

* Clicando na tia da ilha aqui embaixo, você faz o download do trailer do filme swept away. (chega de Madonna, Phelipe)

* Na internet, todo mundo é genial.

terça-feira, agosto 20


Madonna na "Ilha da Sedução"

segunda-feira, agosto 19


Estórias pra boi dormir:

* Suzana era adolescente rebelde. Assim sua mãe a chamava. Morava numa cidade de interior. De um estado não muito desenvolvido. Pintava as unhas de uma cor diferente, os cabelos de azul e vestia roupas de criança. Sonhava em morar na Inglaterra. Ouvia David Bowie e afilhados. Nos aniversários e reuniões familiares, era alvo das perguntas sem respostas dos tios e das tias. Aos 30, casou com Alberto, um dos empregados da marmoraria de seu pai. Foram pra Salvador nas férias. Suzana, ao ouvir os tambores do Olodum, começou a vomitar sem parar.

* O ritmo de Arnaldo era mais lento. Fazia as coisas com calma. Não se importava se o mundo corria mais rápido. Não ia se atropelar, fazer as coisas erradas e se desesperar à toa. Sua namorada já tinha gozado e ele continuava lá. (chega desse...eu ando muito baixo nível)

* Mariana tentava dizer para seu pai que aquela camisinha usada que ele encontrou no lixo do banheiro não era dela. Seu Antônio gritava; sua mão chegava a tremer perto do rosto da menina de 16 anos. Mariana gritou que aquilo era um abuso e que ele não podia acusá-la desta forma. E que mesmo se tivesse transado com o Léo no banheiro, ele não tinha o direito de fazer essas barbaridades. E por obséquio, saia do caminho. O tapa foi na cara dela. Seu Antônio naquela noite não conseguiu dormir. Acordou de madrugada e deu falta de sua esposa, que dormia do seu lado. Foi ao banheiro e encontrou o porteiro em cima dela.

* Henrique sempre quis ser astronauta. Adorava a roupa grande e branca. O capacete, os movimentos do homem na lua... Quando pequeno, brincava assim no quintal. Ficava voando sobre as plantas da mãe e entrava pela cozinha em câmera lenta, com as mão estendidas. Aos 40 anos, morava com Oswaldo. Compraram o novo cd do Moby e no mês que vem, iriam visitar a Nasa. Conseguiram com um amigo deles uma visita especial no dia tal, na hora tal e tudo ia ser maravilhoso. Mas como lá não podia entrar de sandália, eles voltaram pro Brasil. Queimaram as sandálias da Zoomp no quintal.

* Amélia que era mulher de verdade. Batia ponto na Avenida Atlântica. Era negra, olhos verdes e tinha dois metros de altura.

sábado, agosto 17



O Collor ama Miami, Rosane e Romero Britto

sexta-feira, agosto 16


Coloquei uma caixinha ali do lado pra gente escrever. Andava namorando essa idéia há tempos. Portando, deixa de timidez. Vamos nos conhecer melhor. Põe teu nome, e-mail ou URL, puxe uma cadeira e fique à vontade. Só quero ver...hehe

CHEGA DE PEÇAS

Eu fui ver. Um amigo me chamou, falou que era de graça e resolvi ir. Eu, pra falar a verdade, desisti de teatro faz tempo. Acho tudo muito cafona e pretensioso. A peça em questão é "Chega de Sobremesa", um monólogo escrito e atuado por Stella Freitas (aquela magra com cara de engraçada que fazia ou faz Chico Anísio). O teatro estava cheio. Descobri que metade também tinha entrado de graça, porque era dia aberto para a crítica e dona Bárbara Heliodora (aquela que tinha que estar no bingo e não fazendo resenha de peça), estaria lá. "Quanto mais gente, mais calor. Ai meu Deus, ela tem que gostar" E lá, a velha sentou. A peça começa e já me dá vontade de ir embora. A atriz é fraca. Fala como se fosse para debilóides. O teatro de arena do Sesc Copacabana engoliu a coitada. Uma cadeira em cena e ela rodopiando e contando casos nada interessantes de sua infância. A cadeira deu um show, vocês tinham que ver. Antes de me achar escroto por sacanear a pobre peça, me responde sinceramente: você iria assistir? Deixa eu reformular: você pagaria 15 reais pra ver um monólogo de Stella Freitas? A peça acaba (1 hora, nem doeu muito). Dona Heliodora continuou sentada enquanto a platéia com piedade, carinho e amor aplaudiu de pé. Chega de sobremesa. Chega de peça.

quinta-feira, agosto 15


Natalie Merchant - space oddity
KD Lang - don't smoke in bed
Frank Sinatra - send in the clowns
Joni Mitchell - amelia
não consigo parar de ouvir

quarta-feira, agosto 14


A padaria aqui perto de casa

Foi de noite. Foi divertido. Pessoas malucas reunidas. Tinha uma tia futucando um pão que não podia ser futucado e enchendo o saco de todo mundo na padaria. Um dos de saco cheio, puxou assunto: Vai votar em quem? No Ciro? Aí ela: que Ciro o quê! Sabe quem é a única pessoa que pode dar jeito nessa zona toda? (até eu queria saber, cheguei a olhar pra trás) Aquele cara lá de cima. Só ele! Deus!

A padaria ficou muda. E eu fiquei com vontade de bater nela. Depois, os caras que não tinham mais o que fazer, perguntaram: e o Lula? Ela de novo: que Lula o quê! Aquilo precisa é de um dedo. Dá um dedo pra ele, você que vai votar nele. Eu fui pro balcão pegar a coca-cola e a pizza (aquelas da Sadia, que vêm em uma caixa) e a moça do balcão procurava por uma sacola maior que pudesse entrar a pizza. E não achava. Eu falei: Não tem problema, eu levo na mão mesmo. Aí ela: Calma, a gente dá um jeito. Pra tudo tem jeito, só pra morte que não tem. Não é? Eu fiquei mudo e sorri. Ela insistiu: Concorda comigo??
Eu saí de lá assustado.

terça-feira, agosto 13


Vote certo

Bianca era candidata para representante de turma. Era organizada. Usava as melhores roupas e cheirava bem. Chegava na faculdade com seus cabelos molhados, perfumes e cadernos. Sentava. Dava bom dia para todos. Era atenciosa com os amigos. Ria das tentativas humorísticas do professor e dava pra três meninos na sala.

Raquel, a outra candidata, queria que a mensalidade fosse mais baixa. Organizava palestras e excursões para congressos de odontologia. Não fedia, mas era feia. Cabelo tipo Glória Maria e dentes mais apressados que os lábios. Era divertida. Tinha um plano de estudo que propunha aos professores, uma revisão da matéria antes das provas, para que as avaliações deixassem de ser preocupantes.

As duas se davam bem. A competição para representante de turma parecia ser amigável. Na hora do intervalo, a roda de amigos se formava em volta de Bianca. Os mais populares, mais bonitos e menos inteligentes (a grande maioria), eram seus melhores amigos. Raquel normalmente não descia. Ficava nas escadas fumando e tacando as guimbas de cigarro nos cabelos lisos das loiras. Ganhar esta eleição, para ela, seria um atestado de "eu posso ser feia, mas sou competente e tenho poder".

A semana passou e o dia chegou. O professor pediu que as duas fossem para a frente da sala e respondesse às perguntas da turma. Primeira pergunta:

- Eu queria saber da Raquel o que ela acha sobre a pena de morte.
- O que isso teria a ver com o meu plano para uma melhor administração da turma?
- É uma pergunta que revela o caráter de um ser humano. Não gostaria de responder?
- Ok. Pena de morte, na minha opinião, só poderia ser aplicada para a sua família.

A sala ria alto. O professor também escondeu seu sorriso e pediu silêncio. Próxima pergunta:

- A minha pergunta também é para Raquel. Você já tentou fazer escova ou cortar seu cabelo curtinho?
- E você? Já pensou em fazer odontologia? (o pessoal ria mais ainda)
- Pessoal (o professor interrompe), gostaria que as perguntas fossem relacionadas às eleições para representante. Próxima pergunta:
- Minha pergunta é para Raquel também. Você vai votar no Lula?
- Meu voto é secreto. Assim como o seu. Este tipo de pergunta não é legal.
- Eu gostaria de saber da Bianca o que ela faria para termos de volta o professor Adalberto, que foi expulso da faculdade por ter abusado sexualmente da filha de 11 anos de uma das faxineiras.
- Bom, o que ele fez foi horrível, não é gente? Mas isso não tira seu carisma e seu ótimo empenho como professor. Além de ser um amor de pessoa. Então eu telefonaria para ele e perguntaria se ele não estaria interessado em dar aulas particulares para a gente. Raquel interrompe:
- Isso. Ele podia também alfabetizar as irmãs menores de vocês.
- Isso aí, uma outra ótima idéia (concorda Bianca)

As votações começam. Bianca vai ao banheiro dar um retoque no rosto, enquanto os votos são contados. Os amigos de Raquel supervisionavam os votos. O resultado foi dado 10 minutos após a contagem. Raquel ganha as eleições com 80% dos votos. Bianca não fica triste e nem dá escândalo. Dá uma festa no fim de semana seguinte, em sua casa. O assunto predileto de todo mundo era o cabelo da Raquel.

segunda-feira, agosto 12


Carlos Alberto e Sílvia chegam em casa depois de trabalho
- Sílvia, você viu meu caderno de notas?
- Caderno de notas?
- É. Eu sempre tive. Gosto de escrever minhas sentimentalidades lá...
- Nunca soube. O que você escreve nele?
- Nada demais. Lá eu escrevo pra mim. E eu gosto. Só eu leio e adoro. Não preciso que mais ninguém goste.
- O que você quer pro jantar?
- Eu tô entediado. Queria largar tudo.
- Lasanha ou pizza?
- Costumava ser eu. Não estou mais me reconhecendo. Não gosto quando começo a escrever pros outros.
- A lasanha é de bolonhesa. Você liga pro mercado pra pedir uma Coca?
- Eu andei lendo umas coisas minhas...não sou eu, sabe? Me sinto canastrão desse jeito.
- Larga de ser fresco, Phelipe. Continua escrevendo essa merda e pára de viadice!
- Tá bem.



Não me diga que eu sou o único idiota que descobriu isso só ontem! Já repararam nesse logo do Carrefour? Vocês já tinham notado esse "c", bem no meio, dividindo o símbolo azul do vermelho? Percebi isso só ontem, quando fiquei em um engarrafamento na estrada, em frente ao supermercado. Essas coisas são muito importantes. É como descobrir o segredo de uma mágica. Tava sempre ali e você nunca notou. Tudo bem, eu sou lerdo e essas coisas já me aconteceram várias vezes. Mas essa descoberta foi sensacional, pode falar. Você também não sabia e chegou a bater uma palma quando leu isso. Chegou a exclamar: Puxa vida!

° "Yada, yada" em inglês é como se fosse um "blá blá blá", ou um "etc, etc, etc" em português... viu? seus burros!

° Eu já cansei de ler sobre os escritores de internet e seus livros e blogs; que falam sobre o vazio existencial tão marcante dessa nova geração e yada, yada (incorporei)...Pô fala sério. Vazio existencial? Vai procurar um namorado (a) e sai da frente do computador (tudo bem, isso é meio clichê). Mas escrever totalmente down, filosofando idiotice e enchendo linguiça é, além de clichezão, chato pra caramba. Prefiro ler O DIA. Vazio existencial de cu é rola.

° Hoje eu almocei linguiça, filé de frango, bife à milanesa e ovo de codorna.

° Cuidado, a Marlene Mattos pode querer te agenciar também.

sábado, agosto 10


vou ali e já volto.

quinta-feira, agosto 8


Navegando por aí...

* Tem um blog escrito em portunhol muito engraçado aqui (vale a pena ler o post sobre o uso do advérbio carajo). E tirado daqui, uma guilhotina pra decepar cabeças de Marilyn Manson, Kelly Osbourne entre outros. Tem mais... O primeiro comentário deletado do blog da Cora Ronai. E tem umas idiotices também: Construa sua própria vaca, Pornografia em Lego, "O-que-você-vai-jantar-eu-não-sei-o-que-você-quer?" Dialog Generator e o site com os vídeos daquela velha que chuta um bebê. Já receberam isso por e-mail? Então...é febre na Espanha: Javi & Lucy (é preciso fazer um cadastro chatinho; mas é de graça).

* então eh isso. usar esse eh sem acento e com h eh muito staile, não acha? não colocar maiúsculas tb. abreviar o tb, o vc e o pq tb eh legal. vamos todos mergulhar na nova linguagem cyber-spaço-madness. vamos ser hype. vamos ao pub fumar, beber e reclamar do peso do mundo. webwriting. eu escrevo sem maísculas depois de pontos. sou antenado. esse eh meu sítio. não sou fake. eu fumo free. eu saih daquelas propagandas de cigarro-videoclipe, onde as pessoas pintam quadros e depois riem fumando. onde andam preto-e-branco pelas ruas chuvosas sozinhos sendo cool e livres. pop sucks. agora me dah licença. occupied (urgent messages)


* huhuhu

* Já viram todo mundo dançando no blog do Dudi? Tem homem-aranha, amigos, Sílvio Santos...vai .

* Mais bobeira: Cutuque o coelho e cutuque o pinguim.

quarta-feira, agosto 7


Senior singer Caetano Veloso kisses friend Gilberto Gil and says: Eu sou neguinha!
Parabéns, Caetano!

terça-feira, agosto 6


Arnaldo insistia em trepar com faca na mão

Sentia prazer. Não era nada sádico ou psicopata. O fato de estar com a faca na mão era um perigo, podia machucar a namorada,....e isso o deixava mais excitado. Carolina não gostava muito. Namorava o garoto filho único de pais separados há pouco tempo e não confiava o suficiente em sua sanidade. Arnaldo usava sempre uma mochila, que carregava por todos os motéis que ia, para levar a faca. Não transava só com Carolina. Aliás, Carolina era a única de toda a faculdade que não sabia disso. Tentava confiar cegamente no namorado, que na última transa, tampou seus olhos com um lençol.

Arnaldo levou a namorada para visitar o pai e a convidou para um almoço junto com a mãe em sua casa. Dona Catarina saiu para o supermercado para comprar coisas para o almoço da semana, do século. Ia finalmente conhecer a namorada fixa e séria de seu filho. Não aguentava mais o entra e sai de loiras em seu apartamento. "Você acredita que ele levou três meninas no último fim de semana pra Angra?", comentava a mãe com a empregada. Lucinete ficava preocupadíssima e torcia junto com a patroa para que Arnaldo enfim sossegasse. Aproveitou que Dona Catarina saiu e começou a tirar a roupa. Correu pelada pro quarto do garoto e falou: Pega o facão!

Carolina era de uma família séria. Eu digo séria por que seus pais não riam. Não achavam graça de quase nada. Nenhuma frase ou comentário podia tirar um sorriso da cara dos dois. Jantavam juntos e falavam dos problemas do prédio, da falta de segurança nas ruas, da vizinha que não reciclava o lixo...Carolina era uma hidroelétrica desativada. Tinha seios fartos, cabelos negros longos e pernas lá no céu. Mas tinha um look bem evangélica. Deixava de se depilar, vestia blusões e calças largas que escondiam as formas. Daquele jeito, era praticamente a Rosinha Garotinho. Arnaldo tinha visão raio-x. Descobriu uma potência de mulher. Escultural. Uma Cláudia Raia versão feminina. E Carolina tinha achado um motivo pra sorrir. Adorava o namorado.

A empregada suava em cima de Arnaldo. Ele passava a faca na cara de Lucinete. Ela gostava. Carolina encontra a sogra na portaria. Dona Catarina tinha ouvido o apartamento que a garota solicitou para o porteiro e logo se mostrou atenciosa e simpática. Arnaldo leva a empregada, trepada em sua cintura, para o chão da sala. As duas sobem juntas no elevador. Trocam pequenas coisas como o que você faz na faculdade, quantos anos tem, como conheceu meu filho, pra onde vocês saem...Pra falar a verdade, não foi bem uma troca. A tia falava pelos cotovelos e era curiosíssima. "Nossa, décimo e quinto andar é muita coisa para um prédio no Leblon, não acha?", a menina tenta mudar o rumo da conversa. "Por que? Onde você mora?"

A mãe de Arnaldo resolve entrar com a visita pela porta da sala. E pega o filho montado em cima da empregada. Carolina leva a mão no coração. Ficou branca. Dona Catarina grita: essa faca é pra cortar o pernil, seu filho da puta!

domingo, agosto 4


Alguém pode me explicar?

O Grito, de Edvard MunchGarotinho, Rosinha, Benedita, Galvão Bueno, Luciano Huck, Gugu, Faustão, Rosinha, Garotinho, Monica Lewinsky, Rosane Collor, Patrícia Pillar, ACM, Câncer, Ana Maria Braga, Didi, Sandy & Junior, Kelly Key, Criança Esperança, 0800, Pedro BIal, telefone, Big brother, Ilha da Sedução, reality show, show do Lenine, Gritar, Orar, Garotinho, Rosinha, Benedita, palanque, dólar e roupa pra lavar.

sexta-feira, agosto 2


"There's so much love in this blog...there's so much love in this blog..." Agatha Precog